Mulago Foundation | Lições de quem já passou por isto

Lições de quem já passou por isto

Conselhos da rede Mulago para a crise

by Kevin Starr

Mar 30, 2020

Inquirimos uma série de pessoas da rede Mulago que sobreviveram à recessão de 2008 - e a uma série de outras crises - quanto aos seus melhores conselhos para aqueles que agora enfrentam esta. Neste texto sintetizamos esses conselhos. Parece-nos presunçoso enviar estes conselhos a um grupo com tanta experiência coletiva na gestão de organizações e a lidar com dificuldades, mas recorremos ao aprendizado coletivo de pessoas muito mais sensatas do que nós. Estes conselhos são dirigidos para organizações que se encontram numa fase inicial - para as mais antigas e mais experientes, escolham o que é útil. Está escrito como se fosse para os CEOs, mas é claro que é para toda a equipa sénior, porque ninguém pode lidar com isto sozinho.

Agradecimentos especiais (sem qualquer ordem em particular) a Alasdair Harris, Andrew Youn, Christine Su, Chuck Slaughter, Anushka Ratanyake, Raj Panjabi, Ella Gudwin, Paul Skidmore, Reade Fahs, Jim Taylor, Judah Pollack, John Arnhold, Russ Siegelman, Emily Bancroft, Ari Johnson, Willy Foote, Peter Seligmann, David Weekley e Gustav Praekelt. No inquérito pedimos conselhos por pontos, e usámos as recomendações de todos.

Alguns dos nossos inquiridos enviaram-nos informação mais extensa, muito valiosa, e decidimos incluí-lo num anexo.

Esta crise vai ser longa e profunda. Nunca tivemos um duplo golpe como este. É provável que sejam 12-18 meses só para a pandemia, e só Deus sabe quanto tempo demorará a recessão. Falamos com as pessoas sobre 1) como vai sobreviver, 2) como vai manter o impacto, e 3) como vai responder especificamente à COVID? - por essa ordem, especificamente. Neste momento, há um aumento na mentalidade de generosidade; haverá uma tendência de pensamento virado para a escassez a seguir. Prepare-se para esta última. Isto é uma maratona, não um sprint. Empenhe-se. Precisa de perdurar. Aqui vamos nós:

Sobreviva.

Se está empenhado numa solução escalável: a grande maioria do seu impacto será no futuro. Precisa de lá chegar, é de longe o mais importante. Deixe que a sua dedicação aos que serve no presente se estenda aos que servirá no futuro. Deixe que o seu sonho de impacto à escala mande nas decisões que toma agora, e o ajude a manter a sua paz de espírito enquanto enfrenta as difíceis escolhas que tem pela frente.

Respire.

Chegou onde chegou fazendo as coisas, agindo. Pare um pouco, inicialmente e periodicamente. Ponha-se num estado calmo e avalie o que está a acontecer enquanto está nesse estado de espírito. As pessoas são mais inteligentes e criativas quando não precisam tomar decisões em reação, em pânico. Cuide de si. A primeira regra do socorro é evitar tornar-se uma vítima. Repetimos: esta vai ser uma longa crise. Durma, coma, faça exercício, esteja com os teus entes queridos (virtualmente, se necessário) - as coisas que o sustentavam antes, são ainda mais importantes agora. Trate-os como uma responsabilidade, não como um luxo.

Planeie.

Deite fora o seu plano pré-pandémico. As suas visões de crescimento, as metas ambiciosas - tudo isso. Precisa de um plano novo, e terá de o ajustar continuamente. Os cenários são uma ferramenta essencial para o ajudar a gerar um novo plano. Aqui está uma abordagem:

  • Concentre-se nos próximos 12 meses.
  • Crie pelo menos dois cenários: o cenário mau e o cenário mais pessimista. (O cenário otimista já está fora de questão).
  • Concentre-se no que tem de fazer para sobreviver e no que precisa de fazer para manter o impacto da sua organização.
  • Calcule rigorosamente quanto dinheiro tem para trabalhar: apenas o que tem em caixa e o que tem a certeza que vai entrar. (Tudo o resto é improvável e até o "certo" é suspeito).
  • Atribua esse dinheiro a a) o que será necessário para sobreviver e b) o que será necessário para manter o impacto.
  • Decida com antecedência que desenvolvimentos o devem levar a mudar para o cenário mais pessimista.
  • Como em todas as crises, mantenha-se atento a oportunidades inesperadas.

Isto é o básico. Poderá ser útil um exercício "pré-mortem": Com a sua equipa, imagine que está na falência em 18 meses. Porque isso aconteceu? O que poderíamos ter feito para o evitar?

Cortar.

A liquidez, o dinheiro, é rei. Agarra-se a ele. Faça cortes cedo, depressa e com inteligência – peque por fazer cortes mais profundos. Vai ter de reduzir a sua folha salarial. Pense primeiro em como proteger os seus empregados mais vulneráveis. Congele as contratações, congele os pagamentos. Fique a par do fluxo de caixa e saiba sempre quando, ao seu ritmo atual de despesa, ficará sem dinheiro. Decida sobre um prazo de fluxo de caixa - 6 meses, até que o dinheiro acabe, por exemplo - que irá desencadear a mudança para o cenário mais pessimista. Peça aos financiadores/doadores para lhe pagarem agora o dinheiro que lhe iam pagar mais tarde. Depois peça-lhes mais.

Lidere.

O facto de ser um líder pode diferenciá-lo. Outros podem viver esta situação de uma forma muito diferente da sua. Use esse discernimento de forma proactiva. Assuma que as pessoas estão ansiosas. Vai ter de fazer coisas difíceis rapidamente: Faça-as com uma compaixão e empatia conscientes. Certamente não precisa de ouvi-lo, mas cuide da sua equipa. Reúna-os e conforte-os, mantenha-os seguros, mantenha-os informados. Crie uma sensação de sacrifício partilhado, a começar pelos cortes salariais no topo. Preste especial atenção aos seus trabalhadores com salários mais baixos: são os mais vulneráveis e o que fizer para cuidar deles ressoará através da sua organização. Aliste toda a gente a todos os níveis - vai descobrir quem brilha nestes momentos. Priorize a ação: é melhor pedir desculpa do que pedir permissão.

Comunique

Comunique mais do que parece necessário e razoável. Com a sua equipa (incluindo a sua direção): comunique com intervalos regulares, frequentes e previsíveis. Equilibre honestidade e transparência em torno de más notícias com um espírito de otimismo generalizado. Comunique de forma individual o mais possível.

Com os seus financiadores: Comunique com eles individualmente, começando pelos mais importantes e com maior probabilidade de aumentar doações/financiamentos. Peça-lhes mais apoio, com ênfase em coisas especificas que pode realizar com a ajuda deles. Mantenha-os ligados e atualizados. Impressione-os com a qualidade do seu planeamento e resposta à situação.

Com os restantes: Pense naqueles que o podem ajudar agora, a quem pode ajudar, e que serão importantes para si quando estiver a tentar recuperar o seu ritmo. Com todos: Pense e elabore cuidadosamente o que vai dizer. Há demasiado ruido neste momento; assegure-se de que todos os seus comunicados estão assinados. Geralmente, menos (bem escrito) é mais. As caixas de entrada de emails de todos estão cheias. Com clareza, brevidade e ponderação, a sua comunicação vai destacar-se. O tempo investido em comunicar bem vale a pena.

Responda.

A maioria terá de responder diretamente à própria crise da COVID-19. Alguns podem não ter de o fazer - não tenham medo de simplesmente se concentrar na sobrevivência/manutenção. Se responderem diretamente, pensem se têm uma vantagem comparativa relevante. Alguns – quem trabalha com tecnologia educacional, meios de comunicação social, indústrias altamente digitalizadas, etc. - podem ter oportunidades que podem produzir um impacto rápido em escala. Se for o seu caso, pense em como a sua iniciativa em "tempo de guerra" pode produzir impacto contínuo em "tempo de paz", quando esta crise terminar. Para os restantes, certifique-se de que o que quer que faça é oportuno, de alto impacto, relevante para a sua missão e visível. Visível não significa empoleirar-se; aliás, deve fazer tudo o que estiver ao seu alcance para que os outros apareçam bem, especialmente funcionários públicos e aqueles que serão importantes para o seu impacto futuro. Não use o seu dinheiro para a sua resposta, a menos que seja absolutamente necessário; angarie-o separadamente. Mais uma vez: A primeira regra do socorro é evitar tornar-se uma vítima (organizacional). Certifique-se de que tudo o que fizer é eficaz: não pode desperdiçar dinheiro, recursos, ou reputação em algo que não está pronto.

Redirecione

Alguns de terão, de facto, recursos a mais - pessoas extras, tempo, energia, talvez até um pouco de dinheiro - por causa de coisas que têm de colocar em espera. Utilize-os. Pensem no que será necessário, um dia, para chegar à fase seguinte do seu caminho para a escala. Pode haver experiências que precisam de fazer ou que poderão levar a um impacto futuro, coisas que poderão ser redesenhadas, estratégias que poderão ser repensadas. Podem ser atribuídas novas tarefas e novos papéis a pessoas talentosas e formadas. Poderá descobrir que peritos que lhe pareciam inacessíveis estão agora dispostos a falar. Pode descobrir que, com algum tempo e engenho, encontra formas de fazer algumas das coisas que pensava que não poderiam realizar-se. A inovação pode revelar-se mais importante do que os cortes. E pode haver formas de construir a boa vontade e as ligações de que vai precisar quando estiver pronto para recuperar o seu ritmo.

Recapturar.

Um dia esta crise acabará e terá oportunidade de recuperar, ou mesmo acelerar, o seu ritmo. Pense no que isso poderá ser, visualize-o. Há uma espécie de Zen em tudo isto: Ao concentrar-se no que é preciso para sobreviver a curto prazo, tem de ter sempre em mente o efeito que as decisões tomadas agora terão na sua capacidade de recuperar o ritmo de trabalho mais tarde. Decisões difíceis tomadas agora podem ser estruturadas de uma forma que o tornem muito mais forte daqui a uns anos.

Brilhe.

"As histórias do que faz agora vão ecoar ao longo dos anos".

Esta é a sua oportunidade de brilhar. A forma como lidera, como responde à crise, as escolhas difíceis que faz, e talvez o mais importante, a forma como se aguenta entre aqueles que serve - moldarão a cultura da sua organização, a sua reputação, e o seu impacto nos próximos anos. Deixe que isso, por sua vez, forme as decisões que toma agora. E talvez tornar as difíceis um pouco mais fáceis.

Comments

Latest Posts
Categories
Share